Shantala

A Shantala é uma técnica milenar de massagem indiana, originalmente transmitida de mãe para filho, e que ganhou popularidade no ocidente graças ao médico francês Frédérick Leboyer. Após observar uma mãe indiana, chamada Shantala, massageando seu filho, Leboyer decidiu aprender e difundir essa prática, que leva o nome da mãe que lhe inspirou.

Essa técnica de massagem é aplicada em bebês e crianças pequenas, e tem como objetivo fortalecer o vínculo afetivo entre o adulto e a criança, proporcionando um momento de relaxamento e interação. Além disso, a Shantala possui benefícios físicos, como a melhora da circulação sanguínea, a estimulação do sistema gastrointestinal, o alívio de cólicas, a melhora do sono, entre outros.

A Shantala é composta por uma série de movimentos suaves e ritmados que envolvem o corpo todo da criança. Ela é geralmente realizada com o bebê deitado, enquanto o adulto, sentado, realiza os movimentos de massagem. Importante ressaltar que, antes de tudo, é um momento de troca e de carinho, que deve ser prazeroso para a criança e para o adulto.

No Brasil, a Shantala foi reconhecida como uma das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) pela Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) do Sistema Único de Saúde (SUS). Essa política tem como objetivo valorizar e incorporar práticas de cuidado à saúde que promovam a prevenção de doenças, o bem-estar e a qualidade de vida de forma integral e humanizada.

Como parte das PICS, a Shantala destaca-se por promover a saúde e o bem-estar das crianças de uma maneira afetuosa e integrativa. Ela valoriza o toque e a interação entre o adulto e a criança como ferramentas fundamentais para o desenvolvimento saudável e a formação de laços afetivos fortes.

Em resumo, a Shantala é uma prática milenar de massagem que proporciona benefícios físicos e emocionais para as crianças, fortalecendo o vínculo entre elas e os adultos. Como uma das PICS, ela representa uma abordagem de cuidado à saúde que valoriza a integralidade do ser humano e a conexão afetiva como elementos fundamentais para a promoção da saúde e do bem-estar.